By

Amores inseparáveis

Assim como não é possível separar dois lados de uma moeda, ou o calor do fogo, assim também há dois amores inseparáveis na alma de todo católico digno deste nome: o amor a Deus e o amor à Igreja.

O próprio Nosso Senhor estabelece esta unidade de dois amores num só, ao perguntar a São Pedro, o primeiro Papa: “Pedro tu me amas?”. Ante a resposta afirmativa, Jesus acrescenta, como quem quer uma prova deste amor: “Apascenta as minhas ovelhas”.

Como vê este amor uma grande santa?

Em concreto, Santa Teresa de Jesus, cuja memória a Igreja celebra em 15 de outubro, um dos pilares da reforma da Igreja no século XVI, grande mística, cujas obras escritas maravilham os que as leem nos séculos posteriores.

O PURO AMOR A DEUS

Uma poesia, conhecida como “O poema do puro amor de Deus” nos dá o quilate desta alma de fogo:

Não me move meu Deus para amar-vos

o Céu que me tendes prometido;

nem me move o inferno tão temido

para deixar por isso de ofender-te.

Move-me tu, Senhor, move-me ver-te

cravado nessa cruz e escarnecido

move-me ver teu corpo tão ferido;

move-me as afrontas que sofrestes e tua morte.

Move-me, por fim, teu amor, e de tal maneira

que, ainda que não houvesse Céu eu te amaria,

e, ainda que não houvesse inferno, te temeria.

Não tendes que me dar porque te ame,

pois, ainda que o que espero não esperasse,

o tanto que te amo, te amaria.

O AMOR À IGREJA

Santa Teresa tinha inseparável do amor a Deus o amor devido à Igreja. A teologia chama a Santa Igreja “a esposa mística de Cristo”. Dai vem o ardor com que pede a Deus:

Pai Santo, que estais nos Céus, não sois ingrato para que pense eu que deixareis de fazer o que Vos suplicamos, para a honra de vosso Filho.

Não por nós, Senhor, que não o merecemos, mas pelo Sangue de vosso Filho e por seus merecimentos, e os de sua Mãe gloriosa, e os de tantos Mártires e Santos que morreram por Vós.

Ó Pai eterno! Vede que não se podem esquecer tantos açoites e injúrias e tão gravíssimos tormentos. Pois, Criador meu, como podem entranhas tão amorosas como as vossas sofrer que seja tido em tão pouca conta o que se fez com tão ardente amor de vosso Filho?

O mundo está pegando fogo, querem tornar a condenar a Cristo; pretendem demolir a sua Igreja: desmantelados os templos, perdidas tantas almas, abolidos os Sacramentos.

Pois que é isto, meu Senhor e meu Deus? Ou dai fim ao mundo, ou remediai tão gravíssimos males, que não há coração que o sofra, mesmo os nossos, que somos tão ruins.

Suplico-Vos, pois, Pai Eterno, que não o sofrais também Vós: atalhai este fogo, Senhor, pois se quereis, podeis; algum meio há de haver, Senhor meu: aplique-o vossa Majestade.

Tende pena de tantas almas que se perdem, e favorecei vossa Igreja. Não permitais ainda mais danos à Cristandade. Senhor, dai já luz a estas trevas. Já, Senhor!

Fazei que sossegue este mar; não ande sempre em tanta tempestade esta nau da Igreja. E salvai-nos, Senhor meu, que perecemos”.

Peçamos a Nossa Senhora, Mãe da Igreja, que nos obtenha este duplo amor que se funde num só: o amor ardente a Deus e, não menos ardente, o amor pela Igreja. Tanto mais que temos a promessa infalível de Jesus: “as forças do inferno não prevalecerão contra Ela”… por mais esforços que façam seus inimigos, declarados ou velados; com ou sem pele de ovelha… ou, às vezes, com pele de pastor…

[Vide: Obras Completas de Santa Teresa de Jesus, Ed. Loyola, São Paulo, 1995]

Ilustrações: Arautos do Evangelho,

7 Responses to Amores inseparáveis

  1. Assim como Santa Tereza de Jesus, que nós possamos expressar a grandeza destes Amores Inseparáveis.

    • Adilson Costa da Costa says:

      Caríssimo Sr. Rubens, eis o mais belo cântico de louvor a Jesus e Maria: expressar a grandeza destes amores inseparáveis.

  2. Igor De Lazari Dessaune says:

    Impressionante a descrição poética do amor a Deus e o oração de zelo pela Santa Igreja, reflexo de quem ama desmedidamente…
    Santa Teresa quero esse amor! Com isso nenhuma força infernal é capaz de nos desviar da Verdade na qual se funda esse amor, ainda que disfarçada em pele de ovelha ou de pastor.

  3. Marly says:

    Move-me tu, Senhor, move-me ver-te

    cravado nessa cruz e escarnecido

    move-me ver teu corpo tão ferido;

    move-me as afrontas que sofrestes e tua morte.

    Move-me, por fim, teu amor, e de tal maneira

    que, ainda que não houvesse Céu eu te amaria,

    e, ainda que não houvesse inferno, te temeria.

    Não tendes que me dar porque te ame,

    pois, ainda que o que espero não esperasse,

    o tanto que te amo, te amaria.

    Esta declaração de amor tão profunda, com a dor de ver ali o sofrimento de Deus por nós , seres ingratos e mesmo assim tão amados.

    • Adilson Costa da Costa says:

      Caríssima Marly, é para este amor, propriamente adoração, a Nosso Senhor, em meio aos sofrimentos, que somos chamados nesta terra, para eternamente contemplá-lo face a face no Céu.

  4. Leila Peres says:

    Amar a Igreja e amar muito. Apesar do mau exemplo de quem devia dar bom exemplo. Mas temos esperança: ela é imortal pois Jesus prometeu que o inferno não venceria a Igreja. Nem ajudado por tanta gente. Para frente Arautos! Vocês são a Igreja de sempre, a Igreja Santa, a Igreja Imortal.

    • Adilson Costa da Costa says:

      Caríssima Leila, amar a Igreja superlativamente, deve ser o sentido de nossas vidas. Nosso Senhor Senhor Cristo a fundou e prometeu que sobre ela não vencerão as portas do inferno. Ele é a Verdade, e portanto devemos confiar nas suas palavras, por mais que as aparências contrárias às suas palavras aconteçam ao longo da História. É a certeza da vitória.