By

Conseguimos ver a Deus?

O Santo Cura d’Ars dando catequese – Basílica de Luján (Argentina) – Foto: Conrad Fernandes

 

Autor: Douglas Wenner

Será possível para nós, pobres mortais, ainda nesta vida, vermos a Deus? Alguns talvez respondam que sim, assegurando que O veem todos os dias: seja através de uma linda paisagem, ao ouvir uma bela pregação, ou por meio de uma palavra amiga que os console em meio a terríveis provações… Mas, afinal, conseguimos ver a Deus?

Houve um grande felizardo que, sem titubear em sua afirmação, deixou marcada para a história um belo e inesquecível relato: “Eu vi a Deus num homem”! Terá sido um bom filho que, ao exaltar as qualidades de seu progenitor, não encontrou outras palavras senão elevar à categoria divina o seu próprio pai? Objetariam alguns que não, pois julgariam tal atitude como demasiada manifestação de amor filial. Ou foi ele um religioso, mencionando a primeira vez que viu o seu Fundador? Bem poderia ser, pois não é sem razão que assim se dirigia São Francisco Xavier a Santo Inácio de Loyola, seu Pai e Fundador, tratando-o de “Meu Deus na terra”. Mas, afinal, conseguimos ver a Deus? Quem poderia dizer: “Eu via a Deus num homem”…?

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC), “Ao revelar seu nome misterioso de Iahweh, ‘Eu sou Aquele que É’, ou ‘Eu sou Aquele que Sou’, ou também ‘Eu sou Quem Sou’, Deus declara quem Ele é, e com que nome se deve chamá-Lo” (CIC, 206, p.65). Ora, se Ele é Aquele que É, como não poderia ser visto? Estejamos certos de que podemos ver a Deus. Mas de que modo? Também o Catecismo, baseando-se em Santo Agostinho e no Doutor Angélico, São Tomás de Aquino, nos exorta: “Criado à imagem de Deus, chamado a conhecer e a amar a Deus, o homem que procura a Deus descobre certas ‘vias’ para ascender ao conhecimento de Deus. Chamamo-las também de ‘provas da existência de Deus’, não no sentido das provas que as ciências naturais buscam, mas no sentido de ‘argumentos convergentes e convincentes’ que permitem chegar a verdadeiras certezas” (CIC, 31, p.23). Quiçá por isso, nosso ‘grande felizardo’ afirmou: ‘Eu vi a Deus num homem!’ Mas quem foi ele?

Trata-se de um célebre advogado de Paris, o qual ao se encontrar com um amigo, foi interpelado por este a respeito de para

Acervo Revista Arautos

onde viajaria naquele momento. Ao ouvir como resposta que o destino se tratava da simples e pacata cidade de Ars, no interior da França, o tal amigo indagou:

– Mas, o que você vai fazer em Ars? O que pode haver de interessante em Ars?

– Fiquei sabendo que lá existe um padre muito virtuoso, e quero, pois, conhecê-lo. Quando voltar, saiba que lho direi.

O advogado foi a Ars, e após regressar a Paris e reencontrar seu cético amigo, disse a ele admirado: “Eu vi a Deus num homem!” Tratava-se de São João Maria Vianney (1786-1859), o Santo Cura d’Ars, cuja festa hoje comemoramos. Tamanha era sua virtude que de diversas partes, não só da Filha Primogênita da Igreja como de diversos outros lugares, acorriam numerosas multidões para verem a Deus num homem. De suprema inteligência e oratória? Não era ele muito dotado de predicados naturais… Mas, quanto aos sobrenaturais, possuía uma alma tão munida da Sabedoria Divina que, por meio de um exuberante dom do Discernimento dos Espíritos que possuía, era capaz de ler o interior mais profundo das almas. Prova disso é que, não raras vezes, apontava ao fiel os pecados que ainda restavam a ser declinados ao longo do sacramento da reconciliação.

De vida acética e penitente, o Santo Cura d’Ars quase não comia e pouco se descansava, se é que dormia… Certa vez, em meio às costumeiras dezoito horas que reservava para atender aos fiéis em confissão, foi até os seus humildes aposentos para colocar ao fogo algumas batatas. Depois de algum tempo, voltou lá para ver se já estava pronta a sua refeição. Ocorreu que, mais de uma vez, misteriosamente encontrou carne na panela, e não as batatas cozidas. Enfim, ao perceber se tratar de uma maléfica artimanha do infernal inimigo, resolveu fazer jejum naquela noite, dado que era sexta-feira, dia de abstinência. Fruto de sua sublime humildade, mais um louro estava assim fixado em sua futura coroa de glória!

Casa de São Cura d’Ars – frwikipedia

Muitos poderiam ser os fatos aqui narrados de tão precioso “tesouro” de nossa Santa Igreja, aquele que por ela recebeu o título de Padroeiro dos Sacerdotes. Ressaltemos que não é pouca coisa, pois levando em consideração a grandeza do estado clerical, sobre o qual nos ensina Santo Agostinho, Santo Anselmo, entre outros, ser superior ao estado dos próprios anjos, receber este epíteto de Padroeiro dos Sacerdotes nos faz reconhecer o quanto agrada a Deus aquele que abraça e trilha além das vias clericais, as vias da santidade.

Eis porque, inequivocamente, podem afirmar os que estiveram diante de um santo, ‘Eu vi a Deus num homem!’ Vi, como outrora Moisés pela sarça ardente, Aquele que É. Vi pelos exemplos ardorosos de sua alma, pelas labaredas de suas virtudes, por sua abnegação e entrega, pelo esquecimento de si mesmo ao pleníssimo amor e serviço a Deus! Para aqueles que têm essa ventura, não há dúvidas que possam obscurecer a “voz misteriosa da graça que fala no interior dos corações”.

Entretanto, há um ponto muito sério a considerar:  Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus” (Mt 5,8). Infelizmente, em contrapartida, muitos são os que não conseguem ver a Deus, por não terem puro o coração… Por mais que o Cura d’Ars fosse santo, era necessário ao menos a reta intenção de ser puro, e também de ser santo, para assim poder vê-lo, e Deus nele.

Tenhamos a esperança fortalecida pela fé para sermos santos a exemplo de São Cura d’Ars. Peçamos isso a Nossa Celeste Advogada, Medianeira de Todas as Graças, rogando especialmente pelo clero e por todos os fiéis. E fazendo uso das próprias palavras de São João Maria Vianney, voltemo-nos a Nossa Senhora com grande confiança e tenhamos a certeza de que, por mais miseráveis ​​que possamos ser, Ela obterá para nós a graça da conversão”.

Corpo incorrupto de São João Maria Vianney no Santuário Cura d’Ars, França – Vatican News

 

Catecismo da Igreja Católica. 11.ed. São Paulo: Loyola, 2001.

Le Curé D’Ars, VIe de Jean Baptiste Marie Vianney. L’Abbé Alfred Monnin. Paris: Charles Douniol Libraire Éditeur, 1861. 539p.

Thomas de Saint-Laurent. O livro da Confiança. São Paulo: Ed. Retornarei. 2019. 93p.

Conheça a vida dos Santos, clique aqui e acesse a plataforma Reconquista.

By

Santo Afonso Maria de Ligório nos ensina: a oração é mais forte do que todos os inimigos

Santo Afonso diante do Santíssimo Sacramento Catedral da Assunção – Carlow (Irlanda) – Foto: Andreas F. Borchert (CC by-sa 3.0)

Como são preciosas a Deus as nossas orações!

São tão preciosas a Deus as nossas orações que Ele destinou os Anjos para Lhe apresentarem imediatamente as que estamos fazendo. “Os Anjos, diz Santo Hilário, presidem as orações dos fiéis e diariamente as oferecem a Deus”. É este exatamente aquele sagrado incenso, isto é, as orações dos santos que São João viu subir ao Senhor, oferecido pelas mãos dos Anjos. Escreveu o mesmo Santo Apóstolo que as orações dos Santos são como redomas de ouro, cheias de suave perfume e muito agradáveis a Deus.

Santo Afonso diante da Virgem – Acervo Arautos

Mas, para melhor compreendermos quanto valem junto de Deus as nossas orações, basta ler nas divinas Escrituras as inumeráveis promessas que Deus faz a quem reza, quer no Antigo, quer no Novo Testamento. “Chama por Mim, e Eu te ouvirei” (Jr 33, 3). “Invoca-Me e Eu te livrarei” (Sl 49, q5). “Pedi e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á” (Mt 7, 7). “Vosso Pai que está nos Céus dará bens aos que lhe pedirem” (Mt 7, 11). “Todo aquele que pede, recebe; todo o que busca, acha” (Lc 11, 10). “Qualquer coisa que pedirem, ser-lhes-á concedida por Meu Pai que está nos Céus” (Mt 18, 19). “Tudo o que pedirdes orando, crede que haveis de receber e que assim vos sucederá” (Mc 11, 24). “Se Me pedirdes alguma coisa em Meu nome, Eu vos darei” (Jo 14, 14). “Pedi tudo o que quiserdes e vos será concedido” (Jo 15, 7). “Em verdade Eu vos digo: se pedirdes a meu Pai alguma coisa em Meu nome, Ele vô-lo dará! (Jo 16, 23). Existem muitos outros textos semelhantes, os quais deixamos de citar por brevidade.

Sem oração não há vitória

Deus quer nos salvar. Entretanto, quer nos salvar como vencedores. Estamos, pois, nesta vida. Achamo-nos em uma guerra contínua, e para nos salvar, temos de combater e vencer. “Sem ter vencido, ninguém poderá ser coroado”, diz São João Crisóstomo. Somos muito fracos e os inimigos, numerosos e fortes. Como enfrentá-los e vencê-los? Tenhamos coragem e digamos com o Apóstolo: “Tudo posso n’Aquele que me conforta” (Fl 4, 13). Tudo poderemos com a oração, por meio da qual Deus nos dará o que não temos. Escreveu Teodoreto que a oração é toda poderosa. Ela é uma; entretanto, pode nos obter todas as coisas: “A oração, sendo uma em si, pode tudo”. E São Boaventura afirma que, pela oração, se obtém todos os bens e a libertação de todos os males.

Os restos mortais de Santo Afonso Maria de Ligório são venerados na Basílica que leva seu nome, em Pagani (Itália) – Foto: Alain Patrick

Dizia São Lourenço Justiniano que, pela oração, construímos uma torre fortíssima, onde estaremos livres e seguros de todas as insídias e violências dos inimigos. São fortes as potências do inferno, entretanto, a oração é mais forte do que todos os demônios, diz São Bernardo e com razão, pois com a oração a alma consegue o auxílio divino, diante do qual desaparece todo o poder das criaturas. Assim animava-se Davi em seus desfalecimentos: “Invocarei o Senhor, Louvando-O; e livre serei de meus inimigos” (Sl 17, 4). Em resumo, diz São João Crisóstomo: “a oração é uma grande armadura, uma defesa, um porto, um tesouro”. A oração é uma valiosa arma para vencer os assaltos dos demônios; é uma defesa, que nos conserva em todos os perigos; é um porto seguro contra toda tempestade; é um tesouro, que nos provê de todos os bens. 

*SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO. A oração, o grande meio para alcançarmos de Deus a salvação e todas as graças que desejamos. 19.ed. Aparecida: Santuário, 1987, p.43-45.

Conheça a vida dos Santos, clique aqui e acesse a plataforma Reconquista.

By

Uma conversão assumida com extraordinário vigor de espírito, a santidade abraçada e levada às suas últimas consequências

Acervo Arautos

Read More

By

Progredindo durante a quarentena

Você não está sozinho na quarentena: pode aproveitar e entreter-se — e enriquecer sua cultura — visitando a variada programação na página de formação dos Arautos do Evangelho.

No está solo en la cuarentena: puede disfrutar y entretenerse, y enriquecer su cultura, visitando el variado programa en la página de formación de los Heraldos del Evangelio.

You are not alone in the quarantine: you can enjoy and be entertained – and enrich your culture – by visiting the varied program on the formation page of the Heralds of the Gospel.

Non sei solo nella quarantena: puoi divertirti e divertirti – e arricchire la tua cultura – visitando il variegato programma nella pagina di formazione degli Araldi del Vangelo.

 

 

By

Por que disciplina? Mons. João Clá explica – Vídeo

É verdade que às vezes — ou muitas vezes… — o cumprimento dos deveres, a prática das virtudes, o permanecer fiel à verdade e ao bem nos custa. Mas, você já notou a maior facilidade daqueles que, desde cedo, foram educados na disciplina?

Mas a disciplina vai bem mais além disso. Ela nos ajuda a tomarmos o caminho certo e assim passar pela “porta estreita” a que se refere Jesus.

O Monsenhor João Clá, em breves palavras nos mostra o valor inestimável da disciplina. Veja o VÍDEO

By

A Virgem e o Menino: o perfeito louvor

Contemplai este olhar da Mãe para o Filho, e do Filho para a Mãe. Que encantamento recíproco entre Mãe e Filho! O Menino, todo embevecido e confiante nos braços da Mãe. A Mãe, toda enternecida e protetora com o seu Bebê. Amor de Mãe, amor do Filho.

Bem podemos compreender, por esta imagem da “Virgem com o Menino”,¹ a perfeita realização cantada pelo Salmista: Read More