By

Dois lados da mesma medalha

É comum encontrarmos na natureza belezas opostas, porém harmônicas. É o encanto de um minúsculo beija-flor ou mesmo de uma joaninha que bem podem estar próximos a um imenso pinheiro ou a uma catarata como a de Iguaçu, ou tendo à noite um céu estrelado em que, de um pontinho brilhante a outro podem distar milhões de anos-luz.


Esse aspecto da natureza material não é senão o reflexo da natureza espiritual e do próprio Deus. O mesmo ocorre com Nosso Senhor Jesus Cristo. Em alguns episódios a Escritura O apresenta debruçando-se com amor sobre um pobre paralítico, em outros, altivo e encolerizado, por exemplo, expulsando os vendilhões do Templo.

Mons. João Clá Dias, Fundador dos Arautos do Evangelho, aborda outros aspectos deste tema e os esclarece no artigo reproduzido a seguir. (*)

A ALEGRIA DOS HUMILDES

Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

Jesus é, de fato, de um Rei, vindo para estabelecer um império autêntico, mas impalpável, porque é, sobretudo, interior: o reino da graça, da participação na vida divina, o qual se difunde por meio da Igreja visível, fundada por Ele, e nos prepara para a glória perene no Reino sempiterno.

Contrariamente aos soberanos da Antiguidade, detentores de imensos poderes e riquezas, este Monarca aparece pobre e entra em Jerusalém montado num jumentinho, aclamado pela multidão.

Ele, que merece infinitos louvores, entretanto condescende com essa diminuta demonstração de simpatia, porque — dada a concepção orgulhosa de um Messias temporal, que resolveria todos os problemas políticos e financeiros da nação — se Ele aceitasse homenagens cheias de grandeza e pompa lhes faria mal, confirmando-os naquela deformada crença.

Não era chegada a hora de Se revestir de força e esplendor, como será em sua segunda vinda quando descer do Céu para julgar os vivos e os mortos, e sim o momento de fazer um convite à mudança de vida, através do exemplo de desprendimento das coisas materiais.

.
.
.
.

A DEUS PERTENCEM TODAS AS RIQUEZAS

Não pensemos, contudo, segundo certa mentalidade errônea, que nossas manifestações com respeito a Deus e ao seu culto devam ser marcadas pela nota da pobreza e da humilhação, que as igrejas tenham que ser despojadas de qualquer adorno, compostas de taipa, semelhantes a uma cabana, e os tabernáculos para o Santíssimo Sacramento feitos de argila, mais míseros que uma casinha de joão-de-barro.

    Basílica de Notre Dame – Montreal – Canadá

Ao contrário, nós temos a obrigação de dar a Deus aquilo que Lhe pertence, conforme o mandato de Nosso Senhor: “a Deus o que é de Deus” (Mt 22, 21). O que cabe, então, a Deus? O que Lhe precisamos restituir? Todo o ouro da Terra, todas as riquezas, pois Ele disse: “A prata e o ouro Me pertencem” (Ag 2, 8).

A igreja é a casa de Deus e, portanto, ela é de todos, tanto do rico quanto do pobre, tanto do asiático quanto do ocidental, tanto para os de uma raça quanto para os de outra. Ela é também o luxo do pobre, erguida para dar alegria àqueles que não se apegam aos bens deste mundo, aos autênticos pobres, isto é, os de espírito (cf. Mt 5, 3).

Por tais motivos a Liturgia tem de ser majestosa e as igrejas ricas como o é o Céu Empíreo que Deus preparou para nós, para o qual não há termos de comparação nem linguagem humana capaz de exprimir o que nele existe.

                          Basílica de São Francisco – Assis – Itália

.

(*) Trecho do artigo com o mesmo título de autoria do Mons. João Clá, publicada na revista “Arautos do Evangelho”, n° 151, julho de 2014, p. 8-17.

Ilustrações: Arautos do Evangelho, acnsf, Gustavo Krajl

3 Responses to Dois lados da mesma medalha

  1. Vania says:

    A Deus pertence o Ouro e a Prata. Concordo que a igreja casa do Senhor tenha quer ser linda. Como foi tudo que ele criou. SM

    • Adilson Costa da Costa says:

      Caríssima D. Vânia, quanto normalmente nos preocupamos – e é legítimo – termos uma casa digna e tanto quanto possível, bonita. Se assim desejamos, quanto maior não deve ser nosso anseio de que tudo para Deus seja de uma beleza magnífica. É uma das formas de manifestarmos nosso amor e louvor ao Criador de todas as maravilhas. Salve Maria.

  2. Igor De Lazari Dessaune says:

    Excelente artigo que remarca bem o quão interior é o Reino da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo!
    Como aprendemos da Santa Igreja o que são as maravilhas deste Reino, nada mais coerente, sensato do que suas construções refletirem e ao mesmo tempo ensinarem sua glória e majestade
    Bendito o dia em que todos os pisos, paredes, tetos e altares proclamarem o esplendor, a glória, o louvor que o Rei dos Reis, Criador do Céu e da Terra merece!