By

O Divino Abandonado

Uma pessoa que cresse na divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, tivesse acompanhado sua Paixão e Ressurreição, e assistido à sua Ascensão, bem poderia se perguntar se era razoável, coerente, arquitetônico que Ele deixasse assim a Terra sem de alguma forma permanecer entre os homens por Ele redimidos.

Read More

By

JUNTE OS PONTOS

Vários escritores brasileiros e até estrangeiros comentam uma característica muito presente no nosso povo: nossa intuição e a capacidade de chegar rapidamente a conclusões por vezes de uma precisão impressionante a partir de poucos dados.

O fato narrado a seguir é característico deste dom de Deus ao brasileiro.

Read More

By

O FUNDADOR COMENTA…

Por que rezar à Mãe de Deus: “Rogai por nós”?

E por que “pecadores”? Quando alguém pratica a virtude, não seria melhor pedir: “Rogai por nós, virtuosos”?

Aqui estão três perguntas oportunas e importantes!


.
Read More

By

PEGADAS NA AREIA

Arrumar as gavetas, muitas vezes nos trazem surpresas agradáveis. Na última arrumação, vejam o que encontrei.

Estava na página de algum folheto que a anos havia pego não sei bem onde.

 

Read More

By

PERSEGUIDOS, POR QUE?

O recente post aqui publicado (“Por que a verdade desperta o ódio”) suscitou uma série de manifestações, sendo a maioria delas bastante compreensíveis. Uma das perguntas que nos chegam dá margem a um pequeno esclarecimento.

Vamos a esta pergunta, ou melhor esta perplexidade que, na medida do possível, procuraremos esclarecer.

Read More

By

POR QUE A VERDADE DESPERTA O ÓDIO?

Acabara de dar as razões, as provas históricas e, sobretudo, os trechos do Evangelho pelos quais a Igreja Católica é a verdadeira religião fundada por nosso Divino Redentor. Procurei ser o mais claro possível e tornar esta verdade facilmente compreensível pelo meu interlocutor.

Qual não é minha surpresa quando ouço como reação:

Você provou e até provou bem. Mas exatamente por ser verdade eu não aceito! Eu odeio a verdade! Eu quero viver como eu quero! A verdade que vá às favas!

Despedi-me o mais amável que pude, mas não pude deixar de pensar comigo mesmo: como pode ser isso? Como pode alguém reconhecer que algo é verdade e precisamente por ser verdade, odiá-la?

Read More