By

ENCANTOS E BÊNÇÃOS QUE ATRAVESSAM OS SÉCULOS

A pequena cidade de Greccio, no centro sul da Itália, estava recoberta pelo alvo manto da neve. Era o ano de 1223. Todos os habitantes, camponeses em sua maioria, encontravam-se reunidos em torno de São Francisco de Assis, que procurava explicar-lhes o mistério do nascimento do Menino-Deus. Eles ouviam com respeito, mas… não davam mostras de terem realmente compreendido.

O que fazer? São Francisco procurou um modo mais didático de explicar aos iletrados aldeões a história do Natal. Mandou trazerem-lhe uma imagem do Menino Jesus, uma manjedoura, palhas, um boi e um burro. Os campônios entreolharam-se, surpresos, mas providenciaram tudo sem demora. Em pouco tempo, o Santo compôs a cena: no centro, a manjedoura com as palhas; no fundo, os dois pacíficos animais. Faltava apenas a imagem do Menino Jesus. Com grande devoção, São Francisco tomou-a nos braços, para depositá-la na manjedoura.

Dá-se então um grande prodígio! Ante os olhos maravilhados de todos, a imagem toma vida e o Menino sorri para São Francisco. Este abraça ternamente o Divino Infante e O deita sobre as palhas da manjedoura, enquanto todos se ajoelham em atitude de enlevada adoração. O Menino-Deus sorri uma vez mais e abençoa aqueles camponeses ali prostrados a seus pés. Poucos instantes depois, havia sobre as palhas uma simples imagem inanimada… Mas na alma de todos permaneceu a recordação viva do Menino Jesus. Ele lhes havia sorrido!

A partir de então, o povo de Greccio montava todos os anos o “presépio de São Francisco”, na cândida esperança de que o milagre se renovasse. Não foram iludidos em sua esperança. Embora a imagem não mais tomasse vida, a Virgem Maria lhes falava especialmente à alma nessas ocasiões, com graças sensíveis. Que graças? As graças próprias à Liturgia do Natal. Só para os aldeões de Greccio?

Não! Em todos os presépios do mundo está presente o Menino Jesus — com Maria, sua Mãe, e São José — à espera apenas de que nos acerquemos para, também nós, recebermos um sorriso e uma bênção. É justamente por este motivo que se espalhou por todo o universo católico o costume de montar presépios por ocasião do Natal.

Assim, os Arautos do Evangelho convidam você e toda a sua família a visitar o artístico presépio, que apresenta de modo vivo e atraente o relato evangélico do Nascimento de Jesus, montado na nossa comunidade em Cariacica.

Rua Esmeralda n.10, no bairro São Geraldo.

Ao lado da Faculdade São Geraldo

 

By

FIM DE SEMANA BEM APROVEITADO

— Mãe, estou indo com o pai à casa dos Arautos. Tchau!

— Eu também vou, filho. Sua tia me contou como é quando foi com Luizinho! Já combinei com seu pai; eu também vou.

Muitas vezes é assim que começa um fim de semana para um jovem que frequenta a casa dos Arautos do Evangelho aqui em Vitória.

As atividades variam muito mas têm sempre um diferencial: Read More

By

O BURACO DA FECHADURA

Certa casa estava infestada por um bando de ratos, mas, afinal seus donos conseguiram um gato muito eficaz em suas expedições “raticidas”. Essa foi a razão pela qual reuniu-se uma assembleia dos roedores para deliberarem como enfrentar a nova ameaça.

Surgiram as ideias mais variadas. Um dos ratos parecia de ter encontrado a solução:

— Senhores, a solução é colocar um guizo bem audível no pescoço do gato. Assim, quando ele se aproximar fugimos todos!

Aplausos, “vivas”, “apoiado”, etc. se fizeram ouvir. Quando o alarido inicial diminuiu, um ratinho idoso, esperto, com muita experiência da vida, interveio:

Read More

By

PENSANDO… NAS PRÓXIMAS FÉRIAS

No começo das aulas do segundo semestre ocorreu uma coisa curiosa: os aspirantes dos Arautos do Evangelho recordavam o clima de expectativa que havia… no final do semestre anterior. Apurando o ouvido, alguém poderia ficar intrigado: nos últimos dias de aula uma expressão era repetida inúmeras vezes: CURSO DE FÉRIAS.

Surgem dois “porquês”:

Read More

By

A GRANDEZA DO SACERDÓCIO

Em todos os tempos, as sociedades humanas sentiram a necessidade de escolher alguns homens e destacá-los para serem mediadores entre elas e a divindade, real ou fictícia, à qual devotavam sua fé. Sentimento e necessidade tão imperiosos que, Read More

By

Missionários em busca de almas!

Se a descoberta das Américas descortinou novos panoramas políticos e econômicos para a Europa no século XVI, não menores perspectivas abriu para a Igreja no campo espiritual. Aqui aportavam as naus repletas de ousados colonizadores e dedicados religiosos que, abandonando o continente civilizado, aventuravam-se pelas terras do Novo Mundo. Semelhantes na coragem, muito divergiam eles, porém, nos objetivos. Segundo expressão do Padre Anchieta, desembarcavam “os expedicionários em busca de ouro para as arcas do Rei, e os padres em busca de almas para o tesouro do Céu”.

Essa coragem missionária que animava o coração do “Apóstolo do Brasil” deixou no litoral no Espírito Santo uma lembrança que perpetua até hoje e nos faz sentir a fragrância da sua caridade evangelizadora.

A Igreja Nossa Senhora da Assunção é uma das mais antigas do Brasil. Monumento histórico que deve sua construção ao padre José de Anchieta. É composta por um conjunto histórico – Igreja de Nossa Senhora da Assunção e a antiga residência do “Apóstolo do Brasil”, hoje Museu Nacional de Anchieta.

Construída no século XVI, provavelmente ela não estava totalmente pronta quando ele faleceu, no ano de 1597. Isso explica o fato de Anchieta não ter sido sepultado nela como era costume dos jesuítas, e sim, na igreja de Santiago, em Vitória, que é hoje o Palácio Anchieta, sede do Governo do Estado. Só depois de algum tempo toda a obra ficou concluída.

A edificação da Igreja foi feita com o trabalho dos índios catequizados. Na obra, empregaram-se pedras e blocos de recife presos com argamassa feita com óleo de baleia. Era desta maneira que os jesuítas construíam seus templos no Brasil.

Junto à Igreja, construiu-se a residência dos padres. Ainda hoje quem observa a histórica edificação, no alto do morro sobre a foz do rio Benevente, nota que sua fachada é formada pela Igreja e pela antiga residência dos jesuítas.

Nessa residência moravam os padres, para darem melhor assistência aos numerosos índios da aldeia de Rerigtiba. Acredita-se que o Padre Diogo Fernandes, companheiro de Anchieta, tenha sido o primeiro jesuíta a ser enterrado na Igreja de Nossa Senhora de Assunção. O edifício também constitui atualmente, precioso patrimônio histórico onde funciona o Museu Anchieta.

Na espaçosa praça, em frente à matriz, encontra-se, desde 1922, o busto de bronze do Padre José de Anchieta.

Quando se deu a expulsão dos jesuítas do Brasil, em 1759, a igreja de Nossa Senhora da Assunção tornou-se a Matriz da vila Benevente. Os cômodos da residência onde tinham morado os padres passaram a servir de Câmara Municipal, cadeia pública, Fórum e aposentos do Juiz da Vila. Pessoas importantes, de passagem por Benevente, hospedaram-se ali. Em 1860, o Imperador Dom Pedro II, ao viajar pelo Espírito Santo, visitou o histórico edifício. Desde a expulsão dos jesuítas, foram muitas as obras feitas, tanto na Igreja, como na antiga Residência Jesuítica, modificando a construção original.

Veja abaixo as fotos: