By

Donde vem?

Um simpático grupo de jovens casais em visita à casa dos Arautos do Evangelho, tomava um lanche. As refeições, mesmo frugais, são sempre uma ocasião para um bom convívio. Aprendemos isso com nosso fundador, Mons. João Clá: “viver é estar juntos, olhar-se e querer-se bem”.

Havíamos assistido um vídeo sobre os Arautos em todo mundo, sua expansão, a diversidade de atividades etc. Uma compreensível pergunta veio de um dos pais:

— De onde vem toda a força dessa expansão? Porque é impressionante! Como em 12 anos vocês cresceram tanto, chegaram a tantos países?

É uma pergunta compreensível. Vejamos se a resposta o será.

Read More

By

Visitando Assis

Há lugares marcados para sempre por pessoas que ali viveram, sobretudo se foram santos. Deixam um perfume da santidade que perfuma o ar como uma flor perfuma um jardim.

Um desse lugares é incontestavelmente Assis: a cidade ficou ligada indissoluvelmente a São Francisco, seu filho por excelência.

Read More

By

Deus não se cansa

“É mais fácil nós nos cansarmos de pedir perdão, do que Deus se cansar de nos perdoar”.

Releia, caro internauta, a frase acima.

Foi ela proferida por lábios sacerdotais a poucos dias. Foi mais além para convencer que de Deus devemos esperar sempre o perdão. A única coisa pedida por Ele é estarmos arrependidos daquilo de errado que tenhamos feito.

Veja quando foram ditas estas palavras.

Read More

By

Silêncio fecundo

“Quem não sabe ir das batatas às estrelas não é digno das batatas nem das estrelas” diz um ditado.

Esse princípio pode aplicar-se à variedade das atividades de um fim de semana na casa dos Arautos do Evangelho.

Read More

By

Sagrado Coração de Jesus, mistério de amor indizível

No próximo dia 7 de junho, será comemorada a festa do Sagrado Coração de Jesus. Para nós que nascemos muito tempo após ela ser instituída, pode parecer um mero evento da liturgia católica. Todavia, quando olhamos para seu significado, vemos que é de uma grandeza incomensurável porque trata-se de um mistério de amor de Nosso Senhor Jesus Cristo por nós.

 No alto da Cruz, o Sagrado Coração de Jesus foi transpassado pela lança e então nasceu a Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Começou aí, de forma palpável para a humanidade, este mistério de amor profundo.

Além de todos os sofrimentos de sua agonia e morte, Nosso Senhor dispôs a nosso favor seu Sacratíssimo Coração.  Ardendo de desejo de torná-lo conhecido aos homens, Nosso Senhor veio a terra revelar este mistério, por meio de diversas a aparições e episódios místicos, a uma santa francesa, do século XVII, chamada Margarida Maria Alacoque.

Estas aparições muito contribuíram para a prática desta devoção ora desconhecida por muitos, sobretudo ao fato de, a partir de então, ser instituída na Santa Igreja esta festividade. Em vários fenômenos místicos, ela foi inebriada pelas Graças do Sagrado Coração de Jesus a ponto de várias vezes não saber se estava nos Céus.

Antes disso, alguns santos já haviam penetrado este mistério.  Santa Catarina de Sena foi uma dessas almas favorecidas. Em um de seus transes espirituais, viu emanar, à semelhança de uma fonte, do Sagrado Coração de Jesus três rios que correspondiam ao amor dispensado aos homens. Um era o amor às almas perfeitíssimas, outro aos que estão em luta pela santidade, outro pelos pecadores. Ou seja, não há quem esteja fora das águas desses rios, que são maiores que o mar. A todos esses o Sagrado Coração de Jesus ama e deseja ser amado por eles.

Nas aparições a Santa Margarida, Ele, apesar de já nos beneficiar com o fato de sua presença, deixou a nós homens uma mensagem. Mensagem esta que remove o mais fundo a alma:

“Eis o Coração que tanto amou os homens, que nada poupou, até se esgotar e se consumir para lhes testemunhar seu amor. Como reconhecimento, não recebo da maior parte deles senão ingratidões, pelas suas irreverências, sacrilégios, e pela tibieza e desprezo que têm para comigo na Eucaristia. Entretanto, o que Me é mais sensível é que há corações consagrados que agem assim. Por isto te peço que a primeira sexta-feira após a oitava do Santíssimo Sacramento seja dedicada a uma festa particular para  honrar Meu Coração, comungando neste dia, e O reparando pelos insultos que recebeu durante o tempo em que foi exposto sobre os altares”.

“Prometo-te que Meu Coração se dilatará para derramar os influxos de Seu amor divino sobre aqueles que Lhe prestarem esta honra”.

Embora já se passaram alguns séculos,  ela se mantém atual. Basta observar o estado de crise da sociedade moderna, quantas atrocidades acontecem em razão do desespero ou desamparo de alma. Entretanto por pior que se esteja uma sociedade, isso não é capaz, nem de longe, de subestimar os benefícios da Misericórdia do Sagrado Coração de Nosso Senhor. Se se gravita, o quanto mais forte, para longe d’Ele, tanto maior será a força com que ele nos atrairá.

By

Corpus Christi: não somente a instituição mas também o instituído é solenizado pela Santa Igreja

Celebrada universalmente desde 1264, a festa de Corpus  Christi possui a única procissão de preceito da Igreja Católica; os fiéis são convidados a participar desse cortejo religioso em adoração ao Corpo de Cristo, a Eucaristia. Sua instituição é  comemorada na Quinta-feira Santa entretanto, dentro do contexto da Quaresma, não é possível uma festividade. Devido a isso, a festa de Corpus  Christi que já acontecia na Diocese de Liège (Bélgica), foi preceituada à toda Igreja Católica por Sua Santidade, o Papa Urbano IV. Ela acontece na primeira quinta feira depois do domingo dedicado à Santíssima Trindade, que em 2013, será o próximo domingo, 26 de maio.

Como este adorável costume se tornou preceito litúrgico?

Santa Juliana de Mont Cornillon, nascida em Retines perto de Liège, Bélgica, em 1193, foi a enviada por Deus para propiciar esta Festa. Desde jovem, tinha uma grande veneração pelo Santíssimo Sacramento e sempre desejava que se tivesse uma festa especial em sua honra. Este desejo intensificou-se em virtude de uma visão que teve da Igreja sob a aparência de lua cheia com uma mancha negra, que significava a ausência dessa solenidade.  A santa comunicou esta visão a Dom Roberto de Thorete, o então bispo de Liège, Dominico Hugh, mais tarde cardeal legado dos Países Baixos e a Jacques Pantaleón, nessa época arquidiácono da cidade, mais tarde o Papa Urbano IV.

O bispo impressionado como o acontecimento convocou um sínodo, nessa época os bispos tinham direito de ordenar festas para suas dioceses, e ordenou que a celebração fosse feita no ano seguinte. Ela, então, foi celebrada no ano subsequente na quinta-feira posterior à festa  da Santíssima Trindade. Mais tarde um bispo alemão conheceu o costume e o estendeu por toda a atual Alemanha. O Papa Urbano IV, naquela época, tinha a corte em  Orvieto, um pouco ao norte de Roma. Muito perto desta localidade está  Bolsena, onde em 1263 ou 1264 aconteceu seu famoso Milagre:

Um sacerdote que celebrava a Santa Missa teve dúvidas de que a  Consagração fosse real. No momento de partir a Sagrada Forma, viu sair dela Sangue do qual se foi impregnando e em seguida o corporal. A venerada relíquia foi levada em procissão a Orvieto em 19 junho de 1264.

O Santo Padre movido pelo prodígio, e por petição de vários bispos, fez com que se estendesse a festa de Corpus Christi a toda a Igreja por meio da bula “Transiturus” de 8 setembro do mesmo ano, fixando-a para a quinta feira depois da oitava de Pentecostes  e outorgando muitas indulgências a todos que assistirem a Santa Missa e o ofício. Nenhum dos decretos fala da procissão com o  Santíssimo como um aspecto da celebração. Porém estas procissões foram dotadas de indulgências pelos Papas Martinho V e Eugênio IV, e se fizeram bastante comuns a partir do século XIV. Finalmente, o Concílio de Trento declara que muito piedosa e religiosamente foi introduzida na Igreja de Deus o costume, que todos os anos, determinado dia festivo,  seja celebrado este excelso e venerável Sacramento com singular veneração e solenidade; e reverente e honorificamente seja levado em procissão pelas ruas e lugares públicos. Nisto os cristãos expressam sua adoração e memória por tão inefável e divino benefício, pelo qual se faz novamente presente a vitória da Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.